Investimento chinês na construção civil brasileira, construções verdes pelo mundo, curso gratuito em CAD e mais: confira as principais notícias da semana e fique por dentro das novidades na construção civil.

Interesse chinês para negócios anima empreiteiras brasileiras

Grandes empresas chinesas têm demonstrado interesse em modelos de parceria no setor da construção civil com brasileiras brasileiras. Gigantes como a China Communications Construction Company (CCCC) e a China Railway Construction (CRCC) estão buscando novos negócios no país.

Esta mudança advém, principalmente, da decisão da China em incluir a América Latina na política de investimentos One Belt, One Road, cujo objetivo é financiar projetos de infraestrutura pelo mundo, levando junto as empresas de engenharia e as fabricantes de equipamentos chineses. Após três anos de crise, essa pode ser uma grande oportunidade para retomar projetos e engatar de vez a retomada do setor.

Construções verdes geram ganhos bilionários para a saúde e clima

Pesquisadores da Universidade de Harvard realizaram o estudo HEALTHfx, com o objetivo de calcular os ganhos para a saúde e o meio ambiente associados ao consumo eficiente de energia. O estudo analisou durante 16 anos edifícios com certificação verde em países como Estados Unidos, China, Índia, Brasil e Alemanha. O resultado final é que as construções sustentáveis geraram US$6 bilhões em benefícios combinados para a saúde e o clima, graças à redução da emissões de gases poluentes.

Em nível mundial, estas construções evitaram a emissão de 33 mil toneladas de CO2, além de uma economia de US$ 7,5 bilhões em consumo de energia. Os pesquisadores ainda descobriram que, em média, por cada dólar economizado em custos de energia, outros 77 centavos foram economizados em benefícios para a saúde e clima, resultando em menos internações e gastos com a saúde da população.

Está gostando deste artigo?

Assine nossa newsletter e receba conteúdos como esse direto no seu e-mail

IFB oferta vagas em curso gratuito de cadista para a Construção Civil

O Instituto Federal de Brasília (IFB) está com 40 vagas abertas para o curso de Formação Inicial e Continuada Presencial de Cadista para a Construção Civil. O curso é gratuito e destinado a pessoas a partir de 16 anos e que tenham no mínimo o Ensino Fundamental II (6º ao 9º ano) incompleto.

Com carga horária de 200 horas, o curso ensinará aos alunos a criação de desenhos através de ferramentas computacionais, além de realizar levantamentos e desenho de croqui, representar graficamente projetos de edificações, utilização de softwares (CAD) para representação em duas dimensões e outras atribuições.

Confira os detalhes sobre datas e inscrições aqui.

Sorocabano aplica EVA reciclado na construção civil

O empresário e ex-sapateiro Lúcio Pereira de Carvalho descobriu uma maneira sustentável de reaproveitar retalhos de EVA (Etil Vinil Acetato) como insumo para a construção civil.

O material gerado a partir do EVA dá origem a blocos sextavados e tijolos que, por serem resistentes e duráveis, podem substituir futuramente a madeira nas construções. Pesando apenas 2,5 quilos, o tijolo de EVA pode suportar até 40 toneladas e também é indicado para realizar isolamentos acústicos.

Como a matéria-prima vem de algo que seria descartado, os custos com a produção dos tijolos de EVA também são menores – o investimento inicial calculado é de R$200 mil para uma caldeira, prensa e uma máquina injetora.

Obra em Porto Alegre deve gerar 3 mil empregos na construção civil nos próximos dois anos

cais mauá

A revitalização do Cais Mauá, em Porto Alegre (RS), terá início nesta semana, depois de 4 anos de atraso. O consórcio responsável prometeu a conclusão da primeira etapa das obras até o final de 2019.

No total, a obra deve custar cerca de R$500 milhões – no entanto, não há recursos públicos investidos no projeto. Como resultado, 3 mil novos empregos na construção civil devem ser gerados nos próximos dois anos. quando a revitalização estiver concluída, estima-se que 28 mil novos postos de trabalho (diretos e indiretos) sejam criados na região.

 

Leia também: Perspectivas para 2018: empresários da construção mineira iniciam o ano confiantes