Projetos sociais, nova fase da Construção Civil, um edifício construído especialmente para ciclistas e muito mais: confira as principais notícias da semana e fique por dentro das novidades na construção civil:

Arquiteta ensina mulheres da periferia de BH a projetar suas casas

Belo Horizonte (MG) conta com mais uma ação social voltada para a construção civil. O projeto Arquitetura na Periferia, idealizado pela arquiteta Carina Guedes, busca promover melhorias na moradia de mulheres em situação de risco na cidade. Através do projeto, as beneficiárias são orientadas sobre as práticas e técnicas de projeto e planejamento, além de receberem pequenos financiamentos para conduzir as obras com autonomia e sem desperdícios.

Carina conta: “Em vez de oferecer um produto, ofertamos o projeto da casa, o processo de aprendizado e de planejamento, promovendo, além da melhoria do espaço físico, uma melhoria da autoestima e da autoconfiança das mulheres”. O intuito é fazer com que essas mulheres aprendam a medir, desejar e executar alguns serviços construtivos em suas próprias casas. Assim, elas e suas famílias podem realizar o sonho de morar em um local com qualidade de vida e segurança.

Por que o Brasil precisa da Construção Civil para voltar a crescer

Considerada o “termômetro da economia”, a Construção Civil emprega atualmente 13 milhões de pessoas, entre empregos formais, informais e indiretos. Por movimentar uma enorme quantidade de dinheiro e recursos financeiros, o setor acaba influenciando o potencial de outros setores e serviços, como o comércio, instituições bancárias, transporte e desenvolvimento urbano.

Assim, à medida que o setor apresenta melhoras graduais em geração de empregos e novos negócios, também é possível afirmar que a economia geral do país dá indícios de que está voltando a crescer, mesmo que de maneira tímida. De acordo com o Secovi-SP, entre o primeiro semestre de 2016 e o primeiro semestre de 2017, houve um crescimento de 10% em vendas e lançamentos imobiliários. São sinais de recuperação da construção que também refletem a melhora no poder de consumo da população. Confira a análise completa aqui.

Está gostando deste artigo?

Assine nossa newsletter e receba conteúdos como esse direto no seu e-mail

Construção Civil dá sinais de uma nova fase

No terceiro trimestre de 2017, algumas das maiores construtoras e incorporadoras do país – como Direcional Engenharia, Even Construtora, Gafisa e MRV Engenharia – divulgaram um Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 3,544 bilhões. Em comparação com 2016, o valor foi 69% maior, mostrando que 2017 foi um decisivo para o setor, que vive uma crise sem precedentes desde meados de 2012.

Gigante da construção civil pode pagar R$ 225 milhões por uso de amianto

O Ministério Público do Trabalho processou a Eternit, gigante que fabrica produtos para a construção civil, depois de comprovar a exposição de centenas de trabalhadores a partículas de amianto.

A substância tóxica já teve seu uso proibido em vários países por contaminar o meio ambiente e o corpo humano de forma gradual, causando câncer de pulmão. Ao inspecionar a fábrica da Eternit, foram detectadas grandes falhas de segurança e graves riscos à saúde dos funcionários. Também houve flagrantes de descarte de sobras de amianto diretamente em um córrego e diversa situações de transporte do material sem os devidos cuidados. Vale ressaltar que, para evitar a contaminação, o manuseio do amianto exige medidas rígidas de segurança, como o acesso restrito ao local, uso constante de máscaras, lavagem especial de roupas e utensílios manejo controlado do asbesto.

Além de pedir a interrupção do uso do amianto para a produção de telhas e tanques, os procuradores do MPT pedem R$ 225 milhões de indenização por danos morais coletivos aos trabalhadores.

Este prédio sueco foi construído e totalmente adaptado para ciclistas

Cykelehuset OhboyA Suécia é um dos países com maior uso de bicicletas no mundo. Ao contrário de outros países desenvolvidos, os carros não são o meio de transporte preferido, e acabam só saindo da garagem em casos extremos ou de viagens longas. Pensando nessa realidade, o arquiteto e desenvolvedor imobiliário Cord Siegel deu início à construção do Cykelehuset Ohboy, um edifício totalmente projetado para atender às necessidades de ciclistas e suas bicicletas.

Com corredores largos e bastante espaço aberto para que as “magrelas” possam transitar livremente, o piso térreo do Cykelehuset Ohboy possui quartos de hotel em vez de apartamentos. Todos contam com uma área externa com uma bicicleta, um suporte para bicicletas, local para sentar e muitas plantas.

Ao lado da entrada, há um grande estacionamento para bicicletas. No entanto, é possível subir com elas para os apartamentos, já que a parte exterior possui suportes suspensos. O prédio de 7 andares fará parte de um complexo com o mesmo propósito.

 

Leia também: Construct é destaque na GloboNews como solução para a construção civil