Construção civil japonesa, índices da construção civil em 2018 e mais: confira as principais notícias da semana e fique por dentro das novidades na construção civil.

Japão contrata mulheres para trabalhar na construção civil

Yuho Nakamura, 25, superintendente da Shimizu Corporation, supervisiona 30 trabalhadores da construção.
Foto: Irene C. Herrera para The New York Times

Para tentar promover a presença de mulheres trabalhando na indústria da construção civil, o governo do Japão tem adotado uma série de medidas. No entanto, os salários baixos e as longas jornadas de trabalho ainda não estimulam a população feminina a buscar empregos no setor.

O governo do país criou um site para atrair mulheres jovens interessadas em vários cargos do setor. Outros esforços incluem premiar projetos de obras públicas e construtoras que empregam mulheres e a contratação de consultoras para a realização de seminários para executivos da indústria. A expectativa é dobrar para 200 mil o número de engenheiras e trabalhadoras especializadas na construção até 2019. Mas, ao final do ano passado, o valor havia aumentado menos de um sétimo, e as mulheres representam apenas 3% da força de trabalho da construção civil japonesa.

CBIC vai lançar cartilha sobre os impactos dos custos trabalhistas no setor da construção civil

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) irá lançar a cartilha Encargos Previdenciários e Trabalhistas no Setor da Construção Civil, primeiro estudo desenvolvido pela entidade sobre o tema, depois das mudanças da Reforma Trabalhista.

De acordo com Fernando Guedes, Comissão de Política de Relações Trabalhistas (CPRT) da CBIC, “a ideia é que as construtoras e entidades associadas tenham uma orientação de critérios nacionalmente unificados para apurar quanto custa o seu trabalhador em relação também aos custos indiretos, não apenas aos previdenciários e trabalhistas”.

Está gostando deste artigo?

Assine nossa newsletter e receba conteúdos como esse direto no seu e-mail

O lançamento da cartilha acontecerá no dia 17 de maio, durante o 90º Encontro Nacional da Indústria da Construção, em Florianópolis (SC). Informações e inscrições aqui.

Balanço do Ministério dos Transportes mostra uma queda de 13,7% em investimentos no ano de 2017

Imagem via Pini

O Ministério dos Transportes, Portos e Aviação investiu R$ 14,8 bilhões em obras de portos, rodovias, ferrovias, hidrovias e aeroportos em 2017. O valor é 13,7% menor do que o registrado em 2016. De acordo com o órgão, cerca de 500 km de estradas foram concluídas no ano passado, e outros 500 km estão em obras.

Para o secretário de Política e Integração, Herbert Drummond, o ano de 2017 foi marcado pela superação da crise econômica, e 2018 começou com uma perspectiva promissora para o setor. “A ideia é desenvolver um trabalho baseado na estratégia de gestão de recursos eficiente aliada a um controle público comprometido com a melhoria e o crescimento da Infraestrutura e logística de transportes no Brasil”, conta ele.

Mercado imobiliário cresceu em 2017 após dois anos seguidos de retração

No ano passado, o mercado imobiliário brasileiro registrou 9,4% de aumento na venda de imóveis. Ao todo, houve uma redução do estoque de imóveis de 12,3%, de acordo com a Câmara Brasileira da Indústria da Construção.

A região Sudeste continua sendo a principal responsável por alavancar os resultados positivos das vendas. Além disso, a cidade de Curitiba registrou aumento de 356% na venda de imóveis, seguida pelo aumento de 160% da região metropolitana de Maceió.

Para 2018, a expectativa é de crescimento, com a queda nas taxas de desemprego, da taxa Selic e crescimento de 2,89% no valor do PIB brasileiro.

 

Leia também: 8 habilidades que todo gestor de projetos deve ter