O último ano não foi fácil para as maiores construtoras do Brasil. Mesmo fazendo ajustes necessários e reformulação dos negócios, as empresas amargaram vendas menores, resultados fracos e precisaram diminuir custos. O impacto é visível no Ranking da Engenharia Brasileira 500 Grandes da Construção, pesquisa feita pela revista O Empreiteiro.

A crise econômica e a interrupção de obras e projetos da Petrobras fez com que o faturamento de empresas da construção caísse 30% em 2015, comparado ao total em 2014. Segundo a publicação, responsável pelo ranking, esse recuo se deve à ausência da Construtora Norberto Odebrecht e da OAS, entre outras empresa tradicionais, que não estão listadas por não terem fornecido os dados solicitados pela revista. O ranking é elaborado a partir de uma pesquisa exclusiva da revista e leva em consideração a receita bruta do ano anterior como fator para a colocação.

Nesse artigo, você vai conhecer as dez maiores construtoras do país, de acordo com o Ranking da Engenharia Brasileira.

Veja também: As 10 maiores construtoras do Brasil pelo ranking ITC

1) Andrade Gutierrez

A empresa subiu da quarta posição no ano passado, para a primeira no ranking deste ano. A receita bruta da Andrade Gutierrez foi de R$ 6,2 bilhões em 2015. O Grupo AG foi fundado em 1948 e é reconhecido como uma multinacional brasileira. Nestas décadas, realizou projetos em mais de 40 países, na América Latina, na Europa, na África, na Ásia e no Oriente Médio. No Brasil, atua em projetos industriais, obras de infraestrutura, logística, mobilidade urbana, energia, telecomunicações, saneamento, saúde, óleo e gás. A Andrade Gutierrez participou de ações para a Copa do Mundo no Brasil e para as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

Está gostando deste artigo?

Assine nossa newsletter e receba conteúdos como esse direto no seu e-mail

2) Construtora Queiroz Galvão

Com uma receita bruta de pouco mais de R$ 5 bilhões, o segundo lugar do ranking ficou com a Construtora Queiroz Galvão, que se manteve estável, na mesma posição do ano passado. A pequena empresa pernambucana erguida nos idos de 1953, passa a uma das maiores construtoras de infraestrutura do país. No início, eram pequenas obras de saneamento e pavimentação de estradas. Mais recentemente, a empresa atuou no setor de concessões rodoviárias, na construção de petroleiros, plataformas de exploração e até no setor de energias renováveis.

3) Construtora Camargo Corrêa

A holding atua em setores de cimento, concessões de energia, de transporte e mobilidade urbana, engenharia e construção, incorporação imobiliária, têxtil e indústria naval. Em 2015, a receita bruta da Camargo Corrêa ultrapassou os R$ 3 bilhões o que manteve a empresa na mesma posição do ano passado, em terceiro lugar no Ranking da Engenharia Brasileira. Entretanto, a receita foi bem menor que os mais de R$ 4,9 bilhões em 2014. Sinal de que o ano não foi mesmo positivo para as grandes incorporadoras.

4) MRV Engenharia

A empresa foi eleita a maior construtora do país pelo quarto ano consecutivo com quase sete bilhões de metros quadrados em área total construída e 322 obras. A MRV Engenharia está no mercado desde 1979 e suas casas e apartamentos estão em mais de 140 cidades do Brasil. Nesse ranking, foi eleita a quarta entre as maiores construtoras com receita bruta de R$ 2,8 bilhões. Entre as dez mais do ranking, é a única que atua exclusivamente em edifícios residenciais.

5) Direcional engenharia

Em quinto lugar está a Direcional Engenharia. A empresa atua em edifícios residenciais, comerciais, hotéis e incorporações. A mineira de Belo Horizonte atua há 35 anos no mercado e está presente em 11 Estados brasileiros como Amazonas, Amapá, Rondônia, Rio Grande do Sul, Rio, São Paulo e Distrito Federal. A receita bruta foi de R$ 1,6 bilhões em 2015.

6) Carioca Christiani Nielsen Engenharia

Em 1940, a Carioca Christiani Nielsen Engenharia iniciou sua atuação em projetos de urbanização no subúrbio do Rio de Janeiro. Hoje, 76 anos depois, a empresa está entre as maiores construtoras do país. A partir da década de 60, a empresa ganhou destaque em obras como o enrocamento e a terraplanagem da praça do pedágio da Ponte Rio-Niterói. A receita bruta da Carioca em 2015 foi de R$ 1,4 bilhões.

7) Construcap

A Construcap atua nos mercados privado e público, em edificações, além de energia e infraestrutura. Com uma receita bruta de R$ 1,3 bilhões, a empresa se posiciona como a sétima maior construtora de infraestrutura do Brasil. Recentemente, a empresa foi a responsável pela reforma e expansão da área de embarque e desembarque do Aeroporto Santos Dumont. Outra obra emblemática realizada pela empresa foi o Templo de Salomão, sede da Igreja Universal do Reino de Deus, em São Paulo.

8) Rossi

A empresa passou por maus momentos no último ano, o que incluiu uma reestruturação de dívida. Ainda assim, a Rossi conquistou o oitavo lugar entre as maiores construtoras do Brasil. Em 2012, a empresa estava na posição 40, entre as 50 empresas. Depois de ficar de fora do ranking em 2013, 2014 e 2015, a Rossi retoma seu espaço. Fundada em 1980, atua em diversos segmentos do mercado. Fez uma série de parcerias para ampliar negócios ao longo de sua história. A mais recente, em 2012, quando criou a Rossi Commercial Properties, para atuar no segmento de shopping centers.

9) Método Potencial Engenharia

A empresa é uma unidade de negócios da Método Engenharia. Na nona posição, a Método Potencial Engenharia atua no mercado de construção, montagem e manutenção industrial. Desde projetos nos segmentos de óleo, gás, siderurgia, mineração e energia, entre outros. Uma das obras de destaque foi construção e montagem Offshore para a Unidade de Operações de Exploração e Produção da Bacia de Santos.

10) Gafisa

Em 60 anos de empresa, a Gafisa já construiu mais de 15 bilhões de metros quadrados e entregou mais de mil empreendimentos. Esses números a colocam como uma das maiores construtoras do país. A Gafisa é considerada inovadora e investe pesado em tecnologia para conquistar clientes. Foi pioneira ao lançar um edifício colaborativo em São Paulo. A empresa, que teve uma receita bruta de R$ 1,2 bilhão em 2015 encerra o ranking das dez maiores construtoras de infraestrutura do Brasil.